jusbrasil.com.br
17 de Outubro de 2019

O Brasil na Copa 2018

Uma mancha em nossa bandeira

Christina Morais, Advogado
Publicado por Christina Morais
ano passado

Até ontem eu pensei que Neymar sozinho carregaria o fardo do fiasco que foi a atuação do Brasil na Rússia. Tantas foram as críticas e piadas sobre seu desempenho no jogo inaugural do Brasil contra a Suíça. Quarenta anos se passaram desde que o Brasil empatou num jogo de estréia em Copa do Mundo (Mar del Plata/Ar, Brasil x Suécia, 1 x 1, 1978).

Mas não. Não foi e nem será a seleção brasileira quem deixará uma mancha em nossa bandeira em solo estrangeiro desta vez. Afinal, esporte é assim mesmo. Sem derrotas e empates, não se chega às vitórias. Faz parte do jogo. O empate de 1978 não manchou nosso bom nome no futebol e não será este de agora que o fará. Porém, houve sim, um evento que envergonhou o Brasil na Rússia. E não estou falando dos dois pangarés que foram brigar na Arena Rostov por conta de Cruzeiro e Atlético e acabaram expulsos pelos seguranças da Fifa e conduzidos a uma delegacia de polícia pela baderna.

Estou falando do desilustríssimo advogado Diego Nem Vale a Pena Citar o Nome, porque não é digno de ser advogado e não representa nossa classe. Nem vou desfiar o rosário das inúmeras infrações éticas, disciplinares, morais e LEGAIS, que o indigno cometeu com sua conduta. E muito menos vou citar detalhes da conduta, porque me recuso a descrever com minhas próprias mãos a atitude vil do sujeito e seus companheiros de farra.

Vim aqui hoje tão somente para expressar meu profundo sentimento de vergonha por saber que existem advogados brasileiros capazes de manchar nossa bandeira de tal forma. Capazes de manchar a Constituição a que juraram respeitar e defender. Capazes de manchar a classe profissional a que pertencem. E não uma classe qualquer, mas da advocacia, única classe profissional com previsão constitucional de ser essencial a alguma coisa - e não uma coisa qualquer, mas à administração da justiça.

Também aproveito para trazer a público minha manifestação enviada ao Conselho Federal da OAB:

Sobre o infeliz caso do comportamento do advogado Diego Valença Jatobá na Rússia, a OAB/PE publicou "nota de repúdio". No jornal da Globo, neste exato instante (em 19/06/2018 às 14:10h), mais um integrante do grupo foi identificado. É policial militar de Santa Catarina e a corporação já informou que ele será submetido a processo disciplinar tão logo retorne ao Brasil. E então? E nós? Ficaremos mesmo só na notinha de repúdio? Pra começo de conversa, a conduta dele fere o primeiro ordenamento ético do CED, "conduta compatível com os princípios da moral individual e social". Logo, fere o artigo 33 da lei 8906/94. Portanto, não preciso dizer que a conduta do advogado foi antiética, imoral e, acima de tudo ILEGAL. Como um sujeito que se dedica a fazer cumprir a lei, atua ilegalmente, e mais, causando constrangimento e vergonha a toda classe, com um escândalo internacional, e ficaremos mesmo só no hora veja? A coisa se encerrará mesmo na "notinha de repúdio"? Por condutas muito menos graves, que pelo menos não envergonharam a classe em nível nacional e internacional, já vi advogados sofrerem suspensão. O que, exatamente, a OAB pretende fazer em relação a esse sujeito, que definitivamente, não pode representar a classe? Aguardo retorno.

Então é isso. Não vou nem começar a escrever as palavras que me vêem à mente sobre a conduta do advogado, pois eu iniciaria um texto que não teria fim. Basta dizer que essa pessoa não poderia ter imaginado um jeito melhor de acabar com a raça do próprio país em solo estrangeiro. E garanto que advogados de outros países estão tão estupefatos, indignados e envergonhados quanto eu agora.

Ao "colega" só deixo um desabafo: você não merece ser advogado.

A notícia: https://veja.abril.com.br/entretenimento/oab-pe-repudia-atitude-de-advogado-em-video-machista-na-cop...

40 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Isso foi muito mais vergonhoso que perder de 7 a 1 . continuar lendo

Ganhamos o campeonato. Comemora depredando o Metrô.*
Perdemos o campeonato. Desabafa depredando o Metrô.

Um advogado/político bancando o imbecil repugnante em um evento de futebol para mim parece natural. Deve estar orgulhoso de virar manchete internacional.

* Eu jamais assisto, não ganho nem perco. continuar lendo

Também acho que ele deve se sentir o máximo. Como todos os imbecis bem o fazem ante suas imbecilidades, desde os tempos de escola. Os tais fortões, filhinhos da melhor amiga da diretora, que jamais respondem por seus atos. E assim crescem e atuam vida afora. Cada dia contribuindo um pouquinho mais na construção de um mundo pior. Por isso eu acho que o único jeito de baixar a bola de gente assim é impor consequências reais e drásticas. Suspensão de 30 dias eu acho pouco, se quer saber. Mas "notinha de repúdio"? Não exerce nesse tipo de gente imoral nem cócegas. É mesmo que nada. O que é militar enfrentará graves consequências. Acho que esse cara tem que pagar por isso. É não fazendo nada a respeito, porque o cara é "importantezinho" lá no buraco de onde saiu que se cria monstros na sociedade. Acho que a OAB tem que ser mais contundente nesse caso. continuar lendo

Lamentável, para não dizer desprezível. Nossa maior derrota é ver gente com esse tipo de comportamento. continuar lendo

Onde se pode concluir infelizmente que estudo não significa necessariamente educação.
Como podemos concluir também que ser diplomado, por si, não faz da pessoa um cidadão exemplar.
Que ser policial não significa trazer no peito o sentido da defesa do próximo. Se é também por casualidade ou oportunismo.
O canalha não nasce assim, mas se forma em seu meio. Talvez por mera ignorância, talvez por incapacidade, talvez por vocação.
É preciso mostrar nosso repúdio a essa atitude vazia de qualquer indício de caráter.
Com certeza, existirão mulheres que os mereçam, mesmo porque os iguais se atraem, mas isso deve ser a exceção e jamais a regra.
Ficamos mais uma vez constrangidos com a fama de "submundo", oriundos de um país sem raça, sem cultura, sem respeito, sem dignidade, sem leis, sem justiça.
Nas mãos de quem detém o poder, a possibilidade de mostrar que não somos iguais, sob pena de assumirmos ser.
Acho que não apenas a corrupção nos envergonha. Chega disso! continuar lendo

Belas palavras! Obrigada por abrilhantar o debate com uma posição tão clara e digna! Eu jamais compreendi a ideia do machismo, pois até onde sei, todo "macho" saiu do ventre de uma mulher, tem mulher e tem filhas e irmãs. Eles não as respeitam? Não entendo. Entretanto, esse caso extrapola e muito o machismo nu e cru. Entrou na seara da indignidade mesmo. Trata-se de uma afronta pública ao pudor. Eu assisti o vídeo na TV com minha tia de 94 anos do meu lado, dando graças a Deus por ela ser surda e ficar perguntando o que eles estavam cantando e eu disse: "umas coisas desrespeitosas com a moça tia. Por isso a Globo está dizendo que o ato foi repudiado pela comunidade dos artistas e tal". Daí ela falou: "uai, mas a moça está rindo e cantando". Eu disse: "é porque ela está pensando que tem a ver com gritos de futebol, com alguma brincadeira inocente, ela não entende português." Reação de minha tia: "Nossa, que absurdo". Mal sabe ela a profundidade do tal "absurdo". Graças à Deus!! Eu fiquei com vergonha alheia. O povo perdeu a noção de decência. Tudo o que é indecente é acintoso, sendo ou não caso de machismo. continuar lendo